Perdendo peso em Lestah – Reeducação Alimentar

Bom, meu primeiro mes em Lestah foi bastante junkie, assim como minha vida em Floripa antes da viagem. Muita comida congelada, muito hambúrguer e muito chocolate e Nutella (ja que a variedade de chocolates aqui é incrível e o preço é relativamente baixo). A maioria dos relatos de quem vem pra Europa é que a gente acaba engordando significativamente diante do estilo de vida daqui. Meu problema é que em 4 anos de faculdade eu engordei nada menos que 10kg (entrei em 2011 com 53, 54kg aprox. e vim viajar agora em 2014 com 64kg), ou seja, não posso engordar mais nada. Apesar de não gostar de academia, decidi entrar assim que voltei de Paris e juntamente com isso, mudar meus hábitos alimentares (só comemos fastfood, crepe e macarrão lá por motivos de grana). To ficando feliz com os resultados, pois alem de mais disposição, perdi 4kg nas ultimas três semanas. A Ju, minha flatmate, virou minha parceira no projeto #IlhasGregas2015 e perdeu 3kg em menos de 3 semanas. Pretendo perder mais 6kg ao longo dos próximos 2 meses.

Não sou nutricionista e obviamente não vou indicar nenhuma dieta, apenas contar algumas mudanças que fiz na minha alimentação e atividade física que melhoraram muito minha disposição e estão resultando na perda de peso que eu tanto queria, sem passar fome.

Suco Detox: A overdose de fast-food em Paris fez geral aqui de casa ficar bem mal. Decidi começar a fazer sucos detox no liqüidificador (laranja, gengibre, folhas de couve ou espinafre, framboesa congelada, gelo e um pouco de acucar demerara ou adoçante stevia).  Ele é riquíssimo em fibras e antioxidantes alem de reduzir o apetite, ja que eu costumo tomar depois da academia e antes da janta. Como eu não como salada, foi a forma que encontrei pra compensar a falta de vegetais na minha alimentação.

Smoothie caseiro: Costumo bater frutas vermelhas congeladas (raspberry, blackberry, blueberry por ai vai) com umas três colheres de iogurte natural sem acucar e low fat, leite de amêndoas (sem lactose e com baixa caloria – não que eu seja intolerante, mas tenho preferido porque ele dura bem mais que o leite de vaca na geladeira) e um pouco de adoçante Stevia. É uma boa opcao pra lanche e não muito calorico, alem de ficar muito gostoso.

Carboidratos integrais: Substitui tudo pela versão integral (wholegrain): Arroz, macarrão, pão, massa de wrap e biscoitos. O valor calorico é quase o mesmo, entao tenho evitado comer demais, mas as versões integrais tem mais fibras, que alem de ajudar no transito intestinal ajudam também no processo de emagrecimento.

Low fat/half-fat: A maioria dos produtos aqui tem uma versão low ou half fat, iogurtes, queijos, cream-cheese, maionese (inclusive a Hellmans tem uma versão lighter than light, com 10 calorias por colher) etc. Não consigo abrir mao dessas coisas, entao to preferindo essa versão com menos gordura.

Sugar Free: A verdade é que em vez de açúcar, essas versões tem adoçantes sintéticos tipo aspartame e acessulfame, que não são exatamente benéficos pra saúde, seu consumo a longo prazo eventualmente é relacionado a doenças neurodegenerativas como o Alzheimer. Isso não quer dizer  que nunca possa ser consumido. Eu AMO coca-cola, entao quando bate a vontade eu tomo uma latinha de Coca Zero. Eu também não vivo sem energético, entao to comprando a versão Sugar-Free ou Zero-Calories do Redbull (eu não tomo café). O açúcar em si, que eu uso em sucos e smoothies, eu substitui por Stévia, um adoçante mais natural de baixa caloria.

Doces: A parte mais dolorosa dessa minha “dieta” é que abri mao dos chocolates, da Nutella e do Haagen-Dazs. Pra matar a larica de doce tenho comprado frozen de iogurte do Tesco (aproximadamente 80 calorias em 100ml) e chocolate amargo (Lindt 85% – ele é calorico igual a qualquer chocolate regular, porem com um ou dois pedaços eu ja fico satisfeita, entao uma barra de 100g durou mais de duas semanas). Eventualmente comi um pedaço ou outro de chocolates regulares quando alguém me oferece, mas nunca mais comprei barras pra ter em casa – essa é a perdição.

 

Agua: A maioria das pessoas ja faz isso mas eu não tinha o habito, de ter sempre uma garrafinha de agua na geladeira e uma na bolsa. To tentando beber ao menos 2 garrafas de 750ml por dia.

Vacilos: Acontece. Quando estavamos na semana de escrever o Essay, como ja era de se esperar, eu estava nervosa e eu acabei fazendo um brigadeiro branco com leite condensado que apesar de ser light, tinha 250kcal por 100g – ou seja, o brigadeiro inteiro tinha 1000kcal. Tambem aconteceu de ganhar um prato de hambúrguer com fritas free na inauguração do Soar Point – que comi sem culpa porque não é todo dia que a gente ganha uma janta top assim de graça. Tambem rolou um McDonalds pós balada. Acho que foi só.

Receitas Novas: No dia-a-dia eu não tenho muita paciência pra inovar, entao costumo comer as mesmas coisas. As duas receitas que eu testei e mais gostei foi de Cogumelos com Alho e um tico de manteiga e Fettuccine Alfredo Light. Nesse site: http://www.eatingwell.com tem muitas receitas leves e menos caloricas que são ótimas.

Semana que vem viajo com as meninas para o Leste Europeu (Budapeste, Praga e Berlin) entao infelizmente acho que vou acabar saindo um pouco da disciplina. Vou tentar ao menos não engordar e so manter o peso ate eu voltar, quando começarei um novo treino na academia.

 

Paris – Resumão

Bom, em julho fiz minha primeira viagem na europa para fora do UK. Fomos para Paris pois sabíamos que seria uma viagem bastante cara, entao aproveitei o dinheiro que sobrou dos auxílios para isso. A viagem durou 7 dias.

Saimos de Lestah dia 03/08 de madrugada, porem o busao da National Express atrasou e chegamos na metade da manha em Londres. Nosso voo pra Paris saia a tarde, compramos pela Easy Jet (a dica é pesquisar pelo skyscanner.com as melhores passagens mas comprar direto no site da companhia para evitar taxas), chegamos em Paris a noite.

Hospedagem

Decidimos alugar um apartamento em vez de ficar em hostel. Pagamos um pouco mais caro (ainda assim foi barato) , mas com certeza compensou, por diversos motivos, como a localização (Nosso flat ficava muito perto do Arco Do Triunfo e Champs Elysee e perto do metro, alem de ser uma zona mais segura.) e por ter cozinha, que compensou demais o valor que pagamos no flat, (£186 por pessoa para 7 noites) mais detalhes a seguir. 

Comida

Comida em Paris é absurdamente caro pros meus padrões de estudante, ainda mais após um imprevisto que nos deixou com 60 euros a menos cada uma. Qualquer refeição não sai por menos de 10 euros, sem bebida. Nossa solução foi comer no McDonalds (saia 4,50 a 6,50 a refeição) e eventualmente em crepe de rua (3 a 6 euros). Como tinha cozinha no flat, compramos comida no mercado para tomar café da manhã, fazíamos sanduíches pra levar pros passeios e a janta também era feita em casa (macarrão com queijo brie, molho de tomate ou alho e oleo). Detalhe importante: voce só pode sentar na mesa de um restaurante se TODAS as pessoas que estão contigo forem consumir, e os franceses deixam isso claro da forma mais mal educada possível.

Obs. Essa dieta a base de carboidrato e quase nenhuma proteína nos deixou bem enjoadas ao longo desses 7 dias – tanto que foi o estopim pra eu reeducar meus hábitos alimentares aqui em Lestah depois de Paris.

Passeios – IMPORTANTE

Fizemos MUITA coisa nesses 5 dias – e muita coisa de graça! Se voce pretende ir a Paris, lembre dessa dica. Com o nosso visto tier 4, se você tiver até 25 anos, não paga varias atrações culturais mostrando o passaporte, pois eles consideram a gente como residentes da união europeia. (colocarei um asterisco onde conseguimos esse beneficio). Vou listar rapidamente os locais, porque infelizmente (e me arrependo disso) não estudei previamente a historia de cada um – apenas li brevemente nos folhetos que tinham nos locais. Ah, fizemos tudo a pé, de ônibus e de metro, basicamente.

Torre Eiffel, custa 13,50 euros (para estudante) para subir. É maravilhosa! Mas para quem tem medo de altura como eu, talvez não consiga curtir tanto assim (é, quase desmaiei no elevador). Tem os jardins da torre em frente, um bom lugar pra ficar de boa. Visitamos a noite também, outro dia, porque as luzes dela são incríveis, e a cada hora rola um pisca-pisca muito bonito. 

Arco do Triunfo*, tem que subir escada pra caramba, mas a vista lá de cima é bem bonita, dá pra ver a Champs Elysee e boa parte da cidade. 

Louvre*, dispensa explicacoes. O museu é gigante, fizemos em uma manhã só, entao tivemos que ir direto em determinadas obras pra não passar o dia todo lá. Pra ver a Monalisa, rola tipo um confronto, onde apenas os mais fortes conseguem chegar perto o suficiente pra tirar uma foto (pra isso tive que estapear diversos chineses pelo meio do caminho).

Praça da Concordia, perto do Louvre, vale dar uma passadinha lá.

Notre Dame*, entrar nessa catedral é sem explicação. Indispensavel. (e perto dela tem um crepe de rua que vale a pena)

Jardins de Luxemburgo, fica ao redor do palácio de luxemburgo. É uma verdadeira obra-prima, além de ser um dos poucos lugares sem aglomeração de gente e sem filas.

Pantheon*, além de ser uma construção lindíssima, abriga o túmulo de cientistas e filósofos bastante relevantes da historia.

Sainte-Chapelle*, os vitrais dessa capela são uma das coisas mais bem feitas que eu já vi na vida, ainda mais depois de ler sobre a técnica. Cada vidro representa uma passagem bíblica. 

Museu d’Orsay*, abriga obras de Van Gogh, Delacroix, Monet e todos esses artistas que eu estudei quando fiz Historia da Arte no segundo ano e que não lembro mais nada sobre. Acho que é dispensável se a viagem for curta e voce for um ignorante em arte como eu. Apesar disso, gostei de ter ido pra ver o Auto-Retrato. É uma sensação louca pensar que você está vendo ao vivo as obras que eu só tinha visto em livros (e que nunca achei que veria pessoalmente). Só fiquei triste em descobrir que meu quadro favorito – Noite Estrelada – não esta nem no Louvre, nem no Orsay, nem na Galeria de Arte de Londres, fica na verdade no Museu de Arte Moderna de New York.

Palacio de Versailles*, uma grande tristeza foi que choveu muito e estava frio, então não conseguimos ver os jardins como gostaríamos. O palácio é surreal, belíssimo mesmo, tudo que eu conseguia pensar é no trabalho que deve ter sido construi-lo (e o trabalho pra fazer faxina depois).

Sacre-Cour*, a basilica é lindissima e a vista de lá também. Fica em cima de um morro, então ou dá para ir a pé sofrendo, ou pegar um ônibus ou pegar o funicular (um tipo de trem;bondinho que sobe até la, mas não vale a pena pelo preço).

Disney Paris, £54 antecipado para 1 dia/1parque. Escolhemos ir no parque principal. Sem duvidas, foi o dia mais divertido! Inicialmente, eu não queria ir, mas com certeza teria me arrependido se não tivesse ido. Pegamos um dia sem tantas filas, a mais longa durou 45 min. Chegamos antes do parque abrir e utilizávamos o sistema de FAST-PASS sempre que dava, entao conseguimos ir em quase todas atrações e mais de uma vez. Assistimos a Parada e ficamos pro show de fogos no final, que é sem explicações. Nunca tinha visto um espetáculo tão bem feito. Até que não gastamos muito em comida, levamos lanches de casa, almoçamos num fast-food de lá (14 euros) e ganhamos um refri gratis numa promoção que veio na nota fiscal do lanche.

Catacumbas, 8 euros (ou nenhum, se voce mentir que é menor de 18 anos, ja que a moça do caixa nem olhou nossa identidade). Pegamos nada menos que 4h de fila pra entrar. Trata-se de um ossario subterraneo, criado pra resolver o problema de superlotação dos cemitérios de Paris. Basicamente utilizaram os túneis de antigas mineradoras para guardar os ossos das gavetas de cemitérios da cidade, resultando numa pitoresca obra de arte subterrânea com ossadas de aprox. 6 milhões de pessoas. É um passeio único e com certeza vai ser um dos lugares que eu nunca vou esquecer que visitei. (Não recomendado para quem tem claustrofobia.)

Rio Sena e Ponte dos Cadeados, o primeiro dispensa explicações. O segundo é muito interessante pra quem namora, tem compromisso ou essas coisas de casado, já que a tradição é por um cadeado com o nome do casal – e torcer pra esse pedaço da ponte não cair -. Pra mim e pro resto das encalhadas foi só mais um lugar curioso mesmo.

Considerações Finais

  • Me arrependi de não ter estudado mais sobre os locais que visitei. Paris respira história!
  • Visitamos outros locais, mas que não foram relevantes pra mim (Pompidou, Museu Islamico) mas que com certeza a galera de arquitetura vai gostar.
  • Pra quem tá acostumado com a educação britânica, vai achar que os parisienses são muito mal educados, mas acho que demos azar mesmo. Muitos franceses até sabem inglês mas se recusam a falar (como se fosse uma obrigação do turista saber francês)
  • Muito cuidado com os golpes. Tem MUITA gente mal-intencionada lá. MUITA MESMO.
  • Filas, todo lugar tem filas, filas interminais, filas demoradas. Eu que não sou um poço de paciência surtei em diversos momentos (desculpa, Tati, Ju e Gi).
  • Sistema de metro é bem parecidinho com Londres, não tem muito mistério! Mas tem que se ligar na questão que lá tem RER, metro, coisarada toda, e as vezes os tickets não são reaproveitaveis.
  • Como vimos muita coisa nesses 5 dias, não tenho a intenção ou vontade de visitar Paris novamente, mas é uma cidade que todo mundo que puder deve ir uma vez na vida.

Primeira experiencia com o NHS

Aqui na Inglaterra, mesmo sendo verão, não é sempre quente (e por quente, leia-se 20 graus), além de ventar pra caramba. Já nos ambientes fechados, é quente e há um grande isolamento térmico, as janelas dos flats não abrem completamente porque possuem uma trava de segurança (que não deve, mas pode ser retirada – valeu, Moisés!). Essa mudança de temperatura de um ambiente pro outro, somado as chuvas loucas durante o dia culminaram numa sinusite e tosse.

Conforme orientado quando chegamos, nesse tipo de caso de resfriado, tosse, etc (aqui é chamado de minor injuries) a esperar alguns dias, até duas semanas, para ver se a doença regride naturalmente e nesse tempo usar medicamentos isentos de prescrição, como paracetamol, para aliviar os sintomas. Segui essa orientação mas infelizmente não melhorei espontaneamente, antes de ontem dormi muito mal por causa da tosse e ontem acordei mal disposta pra aula, expliquei ao professor e ele me liberou da aula da tarde para ir ao médico.

Havia duas possibilidades, ligar pro seguro-saude da Porto Seguro, que foi o que minha flatmate Julia fez, alguns dias atrás – um médico vai até sua casa – ou ir até a De Montfort Surgery, o health centre da DMU, algo semelhante a uma unidade básica de saúde do SUS, só que aqui no caso é do NHS (National Health Service), ambos possuem diretrizes bastante semelhantes.

Como a DMU Surgery é absurdamente perto, decidi não acionar o seguro e ir lá, inclusive porque gostaria de conhecer o sistema de saúde daqui. Eu ja tinha cadastro no NHS pois a DMU providenciou um dia para fazermos isso aqui na universidade mesmo. Cheguei lá e expliquei que queria uma consulta, pois estava com sintomas de gripe há mais de duas semanas. A recepcionista perguntou se poderia ser com uma enfermeira, não vi problemas, desde que ela pudesse receitar antibióticos, entao ficou marcado para hoje de manha as 9h40.

Cheguei lá no meu horario, avisei que tinha consulta e esperei ser chamada – aparece seu nome na tela da TV da recepção e em qual consultório voce vai ser atendido. Logo fui chamada e a nurse Sharon me atendeu. Expliquei os sintomas (alguns meio na mímica hahaha), ela fez alguns testes (pressão, temperatura, apertou minha testa e seios da face pra verificar os sintomas de sinusite, olhou minha garganta,etc) e falei também que tenho casos recorrentes de sinusite. Ela me receitou apenas amoxicilina por 5 dias apenas – falei pra ela que fazia Farmacia e que já estava tomando paracetamol pra dor, entao nem falou nada sobre analgésicos. Saindo de lá fui na farmacia do Tesco com a receita e achei um pouco demorado o serviço, mas compreensível porque o antibiótico vem fracionado e etiquetado com meu nome e endereço. O custo da receita foi £8.05, padrão do NHS.

Achei interessante o fato de enfermeiros atenderem esse tipo de caso, com certeza desafoga o serviço. Enfermeiros não são técnicos e estudam quase tanto quanto um médico, e sejamos sinceros, para atender casos simples de gripe, tosse e sinusite (sem recorrência) não acho necessário mobilizar um médico, até mesmo porque geralmente existe um tratamento padrão pra esses casos (no Brasil é sempre antibiótico + antiinflamatório + analgésico, verificando se o paciente possui alergia a algum medicamento). Também é legal ver o incentivo que dao as pessoas para primeiramente procurar um farmacêutico para resolver pequenos problemas de gripe, dores, etc. Isso tudo ajuda a desafogar o serviço já que descentraliza o atendimento no figura do médico.

Primark e Balada

Iniciando minha segunda semana em Leicester, só posso ressaltar que estou amando tudo (ok, só a aula de inglês que é meio boring e os chineses insistem em nos ignorar falando chinês durante a aula em vez de inglês). Pode ser que ainda seja deslumbre do inicio, mas to com a sensação que essa viagem foi a melhor coisa que já me aconteceu. Até da vida domestica eu estou gostando, principalmente porque cozinhar acabou sendo o momento de integração aqui no flat. Finalmente conseguimos cozinhar um arroz decente (receita abaixo) e já estamos arriscando pratos mais elaborados (ok, nem tanto) como panquecas, arroz de forno e espaguete com mussarela de bufala e ervas.

Finalmente fui a Primark, a loja de roupas onde todos os brasileiros compram. Ela parece a Sul Center, de floripa, só que vende de tudo, roupa, sapato, maquiagem e acessorios. É de pirar porque tem coisas muito baratas, camisetas e tênis por £3, bolsas lindíssimas por £10, £15, etc, ou seja, não recomendo trazer muita roupa do Brasil, pois aqui roupa é a única coisa barata que tem.

Já rolaram umas 4 festas em flats da galera do Brasil, mas no ultimo sábado fomos a primeira balada de verdade aqui em Lestah. Fomos na Mosh, uma balada no centro, meio underground, custando £2,50 até 11h30 e £5 após. Tomei Jagermeister (que se toma em tubos de ensaio no Brasil, tipo um licor) que custaram £2 a dose. O guarda-volumes é £1. Gastei em torno de £10, tirando as bebidas do esquenta.

A balada em si me lembrou a 1007 antes da reforma. Tem pessoas de todos os estilos, umas beeeem bizarras que deixariam qualquer alternativozinho de floripa no chinelo. Comprovei o boato de que os ingleses simplesmente não chegam nas meninas aqui (no máximo chegam na sua amiga pedindo pra ela te apresentar, né Tati? hahah). No fim a galera ficou bem louca (com a dose de vodka de £2,50) e fomos embora umas 3h30, a pe mesmo.

Receita para um arroz soltinho

1. Comprar da marca Uncle Bens (chuto que é o equivalente ao nosso Tio João)

2. Colocar mais óleo que o normal, fritando junto cebola picada e jogando um caldo de galinha.

3. Fritar o arroz antes de colocar a agua. (é bom fazer quantidades não tao grandes pra evitar o erro)

4. Colocar agua fervente, de 1 a 2 dedos acima do arroz.

5. Nao mexer e cuidar pra não queimar. Se ainda estiver cru, ir colocando mais agua aos poucos.

OBS, ainda nao conseguimos fazer o arroz da marca Tesco (aquele de 40p) soltinho. Só rolou com o da marca Uncle Ben mesmo (£1 por 500g na promoção), mas eu acredito que seja um bom investimento.

Lojas de Primeira Necessidade

Eu nunca morei sozinha, entao cheguei em Lestah morrendo de medo de não saber como “ser dona de casa”. O Flat vem mobiliado com cama, escrivaninha, prateleiras, armários, uma bancada que serve de mesa de jantar, dois sofas ruinzinhos, eletrodomésticos como geladeira, fogão, torradeira, chaleira eletrica e microondas. É bem completo, no entanto ainda fica faltando muita coisa pra comprar pra quem pretende cozinhar em casa. Passei os primeiros 5 dias em funcao disso e não precisei ir numa variedade muito grande de lojas. O centro da cidade tem muita coisa, entao é bom focar naquilo que voce precisa, caso contrario vai se distrair na primeira Primark que voce ver. Felizmente conseguimos deixar o flat em dia na primeira semana, inclusive ja estamos cozinhando pratos de verdade (nao-congelados uhuul) e a casa esta relativamente confortável e aconchegante.

Fiz uma lista com as principais lojas úteis na primeira semana, a seguir.

  • Supermercado Tesco: Fica a umas 3 quadras do Newarke. Tesco é tipo o supermercado Big, que possui muitos produtos com sua própria marca, de arroz, passando por congelados até Vodka. Tem muitas promocoes do tipo combo, onde levando uma certa quantidade ou unidades de determinado produto voce ganha desconto (inclusive na cerveja e na cidra)  por isso é interessante fazer as compras junto com um colega e dividir estes produtos.  No Tesco tem hortifruti, porém não vale a pena pois é mais caro que a feira da cidade. Fica aberto 24h.
  • Tesco Express, sao mercearias do Tesco, ha menos produtos e serve mais como um quebra-galho. So fui nele pra comprar bebida pra uma festa la no Filbert, pois o Newarke fica mais perto do Tesco grande do que de qualquer Tesco Express.
  • Argos, é uma loja de coisas para a casa que vende de tudo, estilo Casas Bahia. A diferença é que voce escolhe através de um catalogo, anota o numero do produto, paga no caixa ou num caixa eletrônico e depois retira a mercadoria num balcão. Consegui uma boa promoção de panelas e utensílios como talheres, facas, potes, formas etc por £39, que dividimos em 4 pessoas do nosso futuro flat de setembro, entao ficou um preco legal pra todo mundo.
  • Iceland é o paraiso dos congelados. Tudo que voce possa imaginar de congelados existe nessa loja. Desde refeições como macarrão ao molho de queijo até costelinhas estilo Outback, waffles de batata, molho de yakisoba, pata de peru, etc, de £1 a £5 em media. É a salvação para os dias que não da tempo de cozinhar.
  • Linens é uma lojinha no centro da cidade que vende artigos de banho e cama. Pegamos uma promoção la de travesseiro 2 por £10, ja que o travesseiro que vem na accomodation só serve pra quebrar o galho mesmo. Tambem comprei um jogo de toalha la por £ 11 (toalha de banho, de rosto e uma toalha que eu uso como tapetando de banheiro). Lá tem lençol, edredom e capa de edredom também (aqui se usa capa nos edredons em vez de usar lençol de cobrir.
  • Feirinha, é no centro também. La vende frutas e verduras mais frescas e por um valor bem melhor que do Tesco. Alem disso, eu comprei um carrinho de feira com a Gio la por £8 pounds (na verdade £7 pois o cara deu desconto ja que levamos dois, um pra mim e gio e um pra Tati e Aiala) e fica o conselho que o carrinho foi um ótimo investimento, inclusive pra fazer compras no Tesco (garrafa de agua, suco, leite, cerveja e cidra pesam pra caramba!).

 

Primeiro dia de aula

Hoje pela manha fomos ao Tesco comprar produtos pra lavar roupa e algumas comidas que faltavam e em seguida fomos pra palestra de introdução no Hugh Ashton Building. Geral imaginando que estaríamos liberados ate a próxima palestra sobre contas no banco. Ledo engano. O PSE começou hoje mesmo pegando todo mundo de surpresa. Cai na sala do prof. Michel, com mais 3 brasileiros e um monte de chineses. Ao contrario do que eu esperava, a aula foi bem legal e eu não me senti totalmente humilhada por ser 0 a esquerda em inglês. O professor deixou a gente bem a vontade, fizemos alguns exercícios do livro, um listening e depois ele contou um pouco da historia de Leicester e depois nos levou no museu aqui perto, onde havia um jardim lindíssimo e parte das ruínas do castelo. A cidade é realmente linda.  Sobre o inglês, ele contou que as 5 primeiras semanas serão mais tranquilas, mas nas ultimas cinco o bicho pega (dai começa o desespero). Meu consolo é saber que eu não to num nivel muito pior do que dos chineses.

Depois de mais uma palestra sobre abrir conta no banco, fomos liberados e fomos novamente ao centro pra comprar congelados na Iceland (logo falarei dela), pois nosso intervalo de almoço é de apenas uma hora, entao só da tempo de almoçar algo pronto. A vantagem é que o Newarke é dentro do campus, pois não sei como eu faria se tivesse no Liberty ou Filbert.

Agora a noite vai rolar aniversario da Jessica Mota – minha flatmate a partir do mês que vem – aqui no Newarke mesmo. Já é 22h e ainda parece fim de tarde. Sinto que nunca vou me acostumar com esse horário deles.

Leicester, finalmente

Sai de Floripa dia 26/06, sem atrasos no voo, com uma despedida rápida (tentando evitar o choro, porem inevitável quando entrei no avião rumo a SP). Tudo correu bem e cheguei em SP com um bom intervalo. Logo fui encontrar a Giovanna, Tati e Felipe (alem de mais gente que foi agregando ao grupo). Nosso voo pra Londres foi tranquilo e rápido (dormi quase todo tempo graças ao Dramin). No aeroporto passamos pela imigração sem maiores problemas alem do inglês super cheio de sotaque e dificil de entender, ja que num geral estou acostumada com o inglês americano (mais utilizado). Ja no aeroporto notei algo que logo iria se confirmar em Leicester: invasão de chineses e indianos na Inglaterra. TEM MUITO CHINES AQUI NA UNIVERSIDADE, e assim como nos, a DMU fez um pick-up pra eles.

Chegamos em Leicester aproximadamente as 23h e pouco, pegamos a chave dos quartos e aguardamos a chegada das malas, que vieram num outro caminhão. Me impressionou o fato de que aqui é verão e por isso só anoitece de verdade as 23h. Não me espantei com o frio pois em Floripa o inverno é bem gelado e eu ja estava preparada pro verão não tao quente de Leicester.

Fiquei no flat D 403 do Newarke Point, junto com a Gio. Demos sorte que o flat estava vazio e limpo – ao contrario de alguns que tinham gringos e gorfos na parede da cozinha. Meu quarto é bem legal e confortável, na medida do possível. O banheiro também é espaçoso se comparado ao das outras acomodações.

No dia seguinte tivemos uma pequena palestra de boas vindas e esclarecimentos. Em seguida houve um tour pelo campus e pelo centro, que é perto. Almoçamos pelo centro mesmo e fizemos algumas compras na Poundland, compramos também toalhas e algumas coisas de uso pessoal e para a casa – incluindo um carrinho de feira, muito útil por sinal – Ainda nesse dia, rolou jogo do Brasil e festa no flat C50 do Filbert.

No domingo, acordamos relativamente cedo para ir ao mercado. Fomos no Tesco – o único grande mercado que eu vi por aqui – e chegamos a conclusão que mais vale fazer varias viagens com poucas compras do que uma viagem com mais de 8kg nas costas e na mão. A tarde fomos na Argos (uma loja louca de catálogos que voce compra pelo código e retira so no caixa o produto) e compramos panelas e pratos. Novamente rolou festa, desta vez Junina, no Liberty, transferida em seguida para o C50 novamente. Ainda tivemos pique pra voltar pra casa e preparar a primeira janta de verdade aqui do flat – um frango com arroz meio queimado, que deixou a cozinha fedendo a fumaça ate agora.

Hoje, na segunda, tivemos que ir fazer nossa inscricao no PSE e novamente me senti na China. Serio, não é possível esse tanto de chinês nessa cidade. Demorou quase 2h porque eles resolveram ir todos juntos e eu cai logo na sala das pessoas com sobrenome C, X e Z (ou seja, todos os chineses). A tarde fomos novamente ao centro e finalmente comprei um notebook novo. Escolhi o MacBook Air 11 polegadas, 4gb de RAM e 128 de espaço (memória SSD). Paguei 645, pois levando o CAS a gente ganha um desconto para estudantes de 14%. Não usei muito tempo, porem estou gostando e o macbook air é extremamente leve e tem um acabamento lindo. A outra loja que nos recomendaram – a PC World – está para fechar, então havia poucas opções.

Amanha começa outro ciclo de palestras de esclarecimento sobre a universidade, conta em banco, segurança, saúde, etc. Tambem é aniversario da Jé Mota, outra futura flatmate, então faremos uma janta e um esquenta pra balada.